Login Form

Newsletter Module

Top Panel
terça, 25 abril 2017

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de ...
Mais
Programa das Comemorações do 25 de Abril no Concelho de ...
Mais
Prev Next

Agricultura

Os pequenos agricultores da Aldeia, que vivem essencialmente da exploração familiar de pequenas propriedades, dedicam-se maioritariamente á pecuária. Nesta região predominam, entre as raças de gado bovino, o Charolês, a Alentejana, o Mertolengo e a Limousine, e entre o gado ovino, a Ille de France e a Merino.


Em paralelo a este tipo de exploração familiar, o chamado “Baldio da Coutada”, propriedade da Junta de Freguesia, é o grande suporte á economia local. Composto por um conjunto de terrenos de domínio comum, pode ser utilizado por qualquer residente da Freguesia.


Este baldio deve a sua sobrevivência a um elevado número de pequenos agricultores, que viram neste uma forma de aumentar os seus parcos rendimentos.


Actualmente, a utilização destas terras pode ser feita de duas formas distintas:

 

1. Adua ou Arrabanhação

 

Uma delas consiste na exploração da pastagem para gado bovino e caprino, realizada por meio de um sistema comunitário designado Adua. Esta forma bastante peculiar de pastoreio também é conhecida por arrabanhação. Para este fim estão reservados os restolhos.


Apesar de, em tempos, ter sido extremamente comum a muitas zonas alentejanas, este método encontra-se, hoje, praticamente extinto.


O seu uso só pode ser feito mediante uma determinada quantia, quantia esta que ajuda a Junta de Freguesia a pagar os salários dos maiorais contratados e comprar os respectivos reprodutores.


Nos dias que correm, um dos problemas que se coloca a este género de pastoreio é a falta de pastagens comunitárias.
Desta exploração são apascentadas mais de quatro centenas de grandes ruminantes e uma percentagem idêntica de pequenos ruminantes, todos eles pertencentes a um significativo número de famílias da freguesia.


2. Courelas

 

A outra reporta-se ao cultivo de cereais, que se faz em pequenas parcelas de terreno dividido em sesmos, e estes em courelas. Estes pequenos lotes, arrendados de 2 em 2 anos a potenciais interessados, compostos por uma área aproximada de 1 hectare.


O tipo de cultivo mais comum nestas courelas é a cultura do trigo, aveia e cevada.


Refira-se que cerca de 56,3% da população em activo é composta por agricultores. E embora o número de pequenos proprietários seja elevado, a dimensão dos terrenos é bastante reduzida. Ou seja, aproximadamente 60% dos agricultores possui terras.

Agricultura
Classifique este item
(0 votos)
Mais nesta categoria: « Saúde População »