Login Form

Newsletter Module

Top Panel
domingo, 21 janeiro 2018

O Núcleo do Sporting Clube de Portugal da Granja, realiza no ...
Mais
A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de ...
Mais
Realiza-se no próximo dia 9 de Dezembro o já tradicional ...
Mais
Realizam-se no próximo dia 8 de Dezembro as tradicionais Festas em ...
Mais
Prev Next
Hugo Galhofas

Hugo Galhofas

Nascido a 20 de Setembro de 1931, conhecido entre os amigos e a polulação da Granja em geral pelo Sr. Zé da Moca, adquiriu o gosto pela arte de construir cadeiras de madeira com assento em buinho, através de seu sogro, uma arte a que dedica várias horas do seu tempo.

Todo o processo artesanal passa pelas mãos deste Artesão, desde a recolha do buinho (Utilizado para o assento) até a própria transformação da madeira (Estrutura da cadeira).

Para adquirir os produtos contactar o próprio

José do Carmo Ricardo "Zé da Moca"

Rua Pedro Piteira, 37

Granja 7240-012

Telef.: 266 577 319

 

 

O artesanato é uma das muitas manifestações de arte existentes, permitindo a valorização e promoção da cultura tradicional de um País. Por meio de objectos genuínos podemos reencontrar a autenticidade das tradições portuguesas.

Na Granja, tal como na maioria das zonas alentejanas, a actividade artesanal tem vindo, ao longo dos tempos, a perder-se ou descaracterizar-se.

Resistindo apenas os mais dedicados artesãos, representados na Granja, entre outros, resistem ainda os fabricantes de cadeiras de buinho, cestos e esteiras, rendas e bordados, artigos em cerâmica e peles e curtumes.

A comercialização destes produtos é feita através de venda directa ao cliente.

   
 José do Carmo Ricardo
Cadeiras
 Lidia Maria Lucas Correia
Pinturas
Manuel Vitor Neves Lavado
Trabalhos em Madeira
     
Maria João Branco
Pintura em Tecido/Madeira
Maria Palmira Manso Alves Bação
Gessos / Arranjos Florais / Marfinites
Mariana Pica Correia
Flores de Massa / Arranjos
     
Maria São João Casimiro Pires
Pintura
Joaquim Bonito Valadas
Artigos em Pele
Francisca Nunes
Pinturas

nature

Publicado em Textos 0

As terras do grande lago de alqueva são o testemunho vivo de uma profunda transformação territorial. Outrora sedentas de água elas vivem hoje rodeadas de um azul profundo.

Terras antes sofridas, habitadas por gentes enrugadas ao sol. Gentes hoje firmes na lembrança do que foi, mas amadurecendo o fruto de um sonho real pleno de possibilidades. Com a mesma persistência em esperança renovada.

A barragem de Alqueva oferecem ao visitante sensações únicas. Na calma serena de uma nova paisagem alagada de vida.

Nas terras do Grande Lago a vida renasce.

venha Senti-la.

Turismo Taurino

A herdade da Galeana, situada no concelho de Mourão, freguesia da Granja, encontra-se numa região denominada margem esquerda do rio Guadiana; esta região é, provavelmente, das mais preservadas de Portugal e oferece aos seua visitantes inúmeros locais de interesse turístico.

Em toda esta região, chamada Alentejo profundo, se pode desfrutar de pequenas aldeias brancas que souberam manter a traça original e oferecem, entre outras coisas, uma gastronomia regional riquíssima baseada em produtos animais e ervas aromáticas autóctones.

A herdade da Galeana abre as suas portas ao que se chama turismo taurino. Pela beleza da sua paisagem natural e o enquadramento do toiro bravo no seu habitat natural, apresenta umas condições únicas para este efeito.

Grupos de visitantes são transportados em reboques preparados e com total segurança, para visitar a ganadaria.

Além de lotes de vacas com os sementais, podem ver-se os toiros de muito perto, constituindo um espectáculo emocionante.

O programa consta basicamente de:

•Aperitivo de boas vindas 10:30 h (breve explicação de onde se está, o que se faz e como se faz);

•Início do passeio à herdade e observação dos toiros 11:00 h

•Almoço típico num antigo celeiro 14:00 h

•Fim da visita 17:00 h

Em época de tentaderos, podem os mesmos constar do programa.

 

* Fotos e Texto: www.murteiragrave.com.pt

Monte de GaleanaFerroPôr do Sol na Galeana Campo Bravo

Estas chaminés cilíndricas, vestígios que mantêm viva a passagem da cultura Árabe por este local, sobressaem nos telhados de algumas casas. Nesse tempo, o tamanho das mesmas representava o estatuto social do seu proprietário.

Ao longo dos tempos muitas foram sendo demolidas, perdendo-se, assim, um pouco do legado histórico da Freguesia.

A data exacta da edificação desta ermida é uma incógnita, apesar de ser do conhecimento geral que em 1596 esta já existia, dado que nesse ano era seu ermitão André Luís.

Construída de alvenaria em pobre traça arquitectónica foi, em 1789, alvo de uma profunda remodelação. Esta obra, realizada com o total consentimento do Arcebispo D. Frei Joaquim Xavier Botelho de Lima, deu á capela a sua actual configuração.

 

 

Desconhece-se a época em que foi fundada esta igreja, embora se pense que remonta aos fins do Século XVI. O povoado onde está inserida sofreu diversas incursões durante o período em que decorreu a Guerra da restauração, as quais teriam levado á perda dos tombos manuscritos da história aqui guardados.

Importantes obras foram depois realizadas neste templo, alterando por completo o aspecto primitivo que até então tinha.

No entanto, já no decurso do Século XIX teria sido profanada e transformada em mercado público e celeiro da Junta de Freguesia.

Nos dias de hoje, o edifício funciona como centro de dia para Idosos.

 

Quando foi construída no século XIV, a igreja de S. Brás pertencia aos hospitalários de S. João de Acre, passando mais tarde, como capela curada, para a ordem de Avis, cuja comenda estava, no ano de 1534, anexada á matriz de Mourão.

Este templo primitivo gótico viria a ser totalmente refeito nos finais do Século XVI, por ordem de D. Teotónio de Bragança. No início do século XVII, altura em que ficou concluído, foi construído o altar da Nossa Senhora das Neves e os Portais da Igreja. Estes últimos são obra do mestre canteiro estremocense Pedro Alvarez Moniz. No século XVIII, o interior foi enriquecido com os frescos da capela-mor e com altares de talha policroma.

Na década de 60 sofreu importantes reparações, conservando hoje os seus traços arquitectónicos. Túlio Espanca, numa das suas inúmeras obras, alude á “majestade na distribuição das cinco capelas que a compõem, iluminadas em doce colaboração de pinturas murais seiscentistas”.

Nas fachadas axial e lateral é possível distinguir, apesar de ligeiras alterações, a traça barroca filipina e clássica. Na parte norte existe uma janela gradeada que ilumina o acesso á torre, na fracção este foi colocada uma porta com seis degraus semicirculares em cimento e na sul um portal em mármore de cornija muito saliente.

A sua frontaria, orientada ao pôr-do-sol, é flanqueada por robustas pilastras, alteando-se do seu lado norte, a torre sineira quadrada, guarnecida de pináculos flamejantes.

Um janelão simples e um pórtico inserem-se num frontão triangular com cruz, também em mármore, ladeado por colunas dóricas e por uma parede lateral, onde sobressai um Escudo da Casa Bragança, colocado abaixo de uma cruz da ordem de Avis. No lado norte da frontaria ergue-se uma torre quadrada com quatro olhais, de remate piramidal, onde estão instalados três sinos fundidos.

O interior, muito bem iluminado, tem uma nave de planta rectangular com cinco tramos reforçados por pilastras de alvenaria caiada. O altar de Santo António, único no templo, eleva-se em frente ao púlpito, em madeira entalhada sobre repisa de mármore. Neste espaço único podem encontrar-se na cabeceira, cinco capelas, sendo a capela-mor de planta rectangular, e tecto de meio canhão coberto por frescos, o seu mais digno exemplar.

Dois retábulos, um no altar-mor e um retábulo filipino alusivo ás almas do purgatório, marcam presença neste templo cristão. O baptistério, com abertura interior em abóbada, é todo pavimentado em lajeado de xisto com sepulturas anepigrafadas.

Uma taça circular de mármore, com base de balaústre quadrado, ocupa o centro deste espaço religioso.

Pintura no Interior

A paisagem desta freguesia retrata, de forma simples e quase precisa, a natureza e o modo de vida da sua população, apresentando alguns dos traços predominantes na região alentejana. A potencialidade dos seus vastos recursos naturais, culturais, cinegéticos, aliados á sua riqueza patrimonial, fazem da Granja um local de forte atracção turística. Entre o património monumental testemunho das suas gerações ancestrais, destaca-se:

 

Igreja de S. Brás Igreja da Misericórdia Ermida de S. Sebastião

Igreja de S. Brás

Igreja da Misericórdia

Ermida de S. Sebastião

     
Chaminés Mouriscas  Ganadaria Murteira Grave Barragem de Alqueva

Chaminés Mourisca

 Ganaderia Brava

Murteira Grave

Lago de Alqueva

Grupo Coral Feminino da Granja Flores de AbrilGrupo Coral Feminino da Granja Flores de Abril

Rua da Canhota, 15

Telef.: 266 577 424

Granja 7240-012 MOU 

Telem.:  963 648 634

E-Mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

O Grupo Coral Feminino da Granja Flores de Abril nasceu aquando da comemoração do 25 de Abril de 2006, na nossa freguesia da Granja. Em que depois de alguns dias de ensaio e de preparação para esse dia, um grupo de mulheres saiu à rua para cantar pela primeira vez, seguindo-se depois de tantas outras.

Não estávamos nós a pensar que seria um sucesso de tal modo, que demos continuidade. Foram surgindo logo de imediato, convites para representar o cante alentejano em varias localidades do nosso País. 

Com o apoio da junta de freguesia da Granja e da câmara municipal de Mourão fomos dando o nosso melhor, para que os Granjenses se sentissem orgulhosos da nossa representação.

Depois de cinco anos de representação e mantendo sempre as nossas características; saia preta, camisa branca e o lenço tradicional alentejano sobre as costas, decidimos legalizar o nosso grupo. Foi então que no dia 2 de Maio de 2011, fizemos o nosso registo e formamos a nossa associação dando-lhe o nome de; Grupo Coral Feminino da Granja Flores de Abril.

 

Órgãos Sociais:

 

Assembleia Geral:    
Presidente
Olga Rosinha Mendes
 
Vice Presidente
Ana Josefa dos Santos Rocha dos Anjos
 
1º Secretário
Vitória Matos Domingues
 
     
Direcção:    
Presidente
Mariana do Carmo Lavado Ricardo Nunes
 
Vice Presidente
Francisca Rosa Ildefonso Nunes
 
1º Secretário
Maria Nunes Branco Oliveira Ramalho
 
2º Secretário
Maria José Bugalho Ricardo Nunes
 
Tesoureiro
Vera Lúcia Bragança Galhofa Caeiro
 
     
Conselho Fiscal:    
Presidente
Rosa Manuela G. Gazua Ribeiro
 
Vice Presidente
Margarida dos Santos Rosado Garcia
 
Vogal
Josefa do Carmo Bugalho Ricardo Aranha
 

 

 

 


"Esclarecimento da existência do novo Grupo Coral Feminino da Granja

Nós “Grupo Coral Feminino da Granja”, vamos dar continuidade ao grupo já existente, desde o dia 25 de Abril de 2006, que por se ter iniciado na data referida anteriormente se começou a chamar Grupo Coral Feminino da Granja “Flores de Abril”. Por um desacordo entre vários elementos do mesmo se deu origem a uma divisão, esta derivada a uma nova farda , que não era de acordo com a maior parte dos elementos do grupo e por não se ter chegado a um entendimento possível ocorreu a divisão. Um dia de ensaio como tantos outros alguns dos elementos não apoiantes da existência da nova farda, perguntaram “Afinal como é a situação?”, a resposta foi “Quem não vestir a farda, não poderá participar na festa de natal do dia 11 de Dezembro de 2010 na igreja da nossa freguesia e não continuará a fazer parte do mesmo!”

Foi com enorme mágoa que depois de vários anos de existência com a nossa farda, já conhecida por todos, resignamo-nos e nunca mais comparecemos aos ensaios em que já não éramos bem recebidas por não termos aceite mudar de farda.

Como vivemos num país democrático e que todos devemos fazer o que gostamos sabendo-nos respeitar uns aos outros, não quisemos insistir uma vez que não iria resultar, porque não havia qualquer tipo de cedência da outra parte. 

Por muita insistência da maior parte dos Granjenses e de certas entidades que nos apoiaram moralmente e monetariamente em alguns inventos que havíamos organizado quando fazíamos parte das “Flores de Abril” nós depois de tanto pensar e conversar, reunimo-nos e decidimos dar continuidade ao Grupo a que os Granjenses e outras povoações se haviam já habituado a ver. Não querendo assim que esta decisão seja causadora de insultos e de descriminação por parte de outros, pois não é essa a nossa intenção.

Vamos dar continuidade com o nome Grupo Coral Feminina da Granja já no próximo dia 1 de Maio aqui na nossa freguesia, mantendo as mesmas modas e algumas novas. Não estamos a copiar nada de ninguém, pois as modas são sempre as mesmas já que nós também éramos do mesmo Grupo “Flores de Abril”, mas como não é o nome que dá o prestígio e sim a vontade de cantar que nos vai na alma e a de divertir quem nos gosta de ver e ouvir.

 

Muito atentamente Grupo Coral Feminino da Granja"